Morre Amanda Todd, canadense vítima de cyberbulling

Amanda Todd

Amanda Todd

Muita gente não acredita em cyberbulling. Este é um caso incrível para alguns e absurdo para todos, chocante e triste. Mas real. Sua história, de acordo com o que conta o site Sábado, de Portugal:

Há cerca de um mês, Amanda Todd publicou a sua história no ‘YouTube’. Sem dizer uma palavra, a canadense escreveu em várias folhas de papel os momentos mais difíceis porque passou. Tudo começou no sétimo ano, quando por brincadeira a adolescente começou a frequentar com os amigos salas de chat online. Um dia, conheceu um homem que lhe pediu para mostrar os seios. Amanda aceitou.

Um ano depois, a jovem recebeu uma mensagem no ‘Facebook’. Era do mesmo estranho, que ameaçou divulgar a foto da adolescente semi-nua se esta não se voltasse a despir. A jovem recusou. Segundo conta no vídeo, ele sabia tudo sobre ela: a sua morada, a escola que frequentava, quem eram os seus amigos e familiares.

A imagem foi divulgada. Amanda entrou em depressão, desenvolveu ataques de ansiedade e de pânico e começou a beber e a consumir drogas. Tentou suicidar-se, mudou várias vezes de escola, e até de cidade. Porém, era constantemente alvo de bullying e cyberbullying. O homem que a perseguia chegou até a abrir uma conta falsa com o seu nome no ‘Facebook’, onde colocou como imagem de perfil a foto de Amanda seminua.

Três anos depois, a jovem lançou um vídeo no ‘YouTube’ onde contava a sua história. Esta quarta-feira, foi encontrada morta em Coquitlam, no Canadá. A sua história comoveu o mundo, e pela Internet multiplicam-se as mensagens de condolências.

Em entrevista ao ‘The Vancouver Sun’, o director da escola que Amanda Todd frequentava em Coquitlam disse que “É um caso muito triste. Nós sentimos que tentámos fazer tudo para a ajudar desde que ela chegou até nós.”

“Ela estava bem acompanhada aqui. Os funcionários e os alunos estão muito impressionados. Ela tinha alguns laços muito fortes com a escola e com os funcionários da escola.”

Leia mais e veja o vídeo clicando aqui.

Amanda Todd

Amanda Todd

Update 19.10.2012 – Mais informações sobre o caso. Do site SOL, de Portugal:

O grupo hacker Anonymous identificou várias pessoas suspeitas de serem responsáveis pelos abusos que conduziram uma adolescente canadiana de 15 anos ao suicídio.

(…) As autoridades canadianas investigam também o caso, tendo constituído uma unidade especial de 20 agentes, e apelam ao fim das iniciativas dos justiceiros e a uma torrente de rumores que está a prejudicar a busca pela verdade. «O sistema não funciona assim. Não se condenam pessoas antes de terem sido sequer acusadas. Não podemos ser juízes, júris e carrascos à frente de todos», declarou o advogado Eric Gottardi, citado pela imprensa canadiana.

Uma organização anti-pedofilia do Canadá diz ter recebido uma denúncia relativa a abusos contra Amanda há pelo menos um ano, tendo reportado o caso à polícia e à protecção de menores. Terão as autoridades e a própria família da vítima feito tudo para a proteger? Muitas perguntas continuam ainda por responder. A mãe de Amanda admite que a filha sempre precisou de atenção especial, mas afirma que os problemas psicológicos e de dependência só apareceram após os abusos online. A filha deixou um vídeo póstumo para mãe, que esta ainda não teve coragem de ver.

Leia mais clicando aqui.

O portal Terra também fala sobre a descoberta:

De acordo com o Huffington Post, o grupo ativista postou no Pastebin que o autor das ofensas seria um homem de 30 anos, que vive em New Westminster, na província canadense de British Columbia.

O sujeito que o Anonymous aponta como praticante do bullying se apresentou a um tribunal na segunda-feira sob acusação de agressão sexual e de interferência sexual com menor de idade, mas sem relação com o caso Todd, segundo a emissora canadense CTV. O homem alega que era amigo de Todd e indicou um morador de Nova York como o responsável por importunar a menina.

“Nós geralmente não gostamos de lidar com a polícia em primeira mão, mas fomos obrigados a colocar nossas habilidades em uso para proteger as crianças”, diz um comunicado enviado por e-mail pelo Anonymous ao CTV. “Ironicamente, temos algumas boas pessoas em Vancouver, que chamaram a atenção de nosso admin para o caso. É uma história muito triste que afeta a todos nós”, constava na mensagem.

Leia mais clicando aqui.

No Wikipedia foi criado um link para o caso:

http://en.wikipedia.org/wiki/Suicide_of_Amanda_Todd

Já o Terra destaca o memorial:
Amanda Todd: memorial na web já tem mais de 750 mil “curtidas”

Atirador em escola municipal em Realengo

Um homem [Wellington Menezes de Oliveira, ex-aluno que teria se passado por um palestrante, segundo a rádio Paradiso-RJ !] armado invadiu a Escola Municipal Tasso da Silveira, na Rua General Bernadino de Matos, em Realengo, e matou diversas crianças.

– No Globo Online:

Ele fez vários disparos que teriam atingido pelo menos 15 crianças. Ele tentou fugir, mas foi surpreendido por policiais que faziam uma operação na região. Bombeiros levaram as vítimas para dois hospitais da região.

Nota encontrada aqui.

Wellington Menezes de Oliveira

Wellington Menezes de Oliveira

– No portal G1:

De acordo com as primeiras informações do subcomandante do batalhão, major José de Paula, o homem seria o pai de um aluno que entrou atirando na escola. Não se sabe inguém ainda sabe a motivação do tiroteio. O major recebeu informações de que pelo menos dez pessoas estariam feridas. Os feridos estão sendo levados para o Hospital Albert Schweitzer.

Leia mais clicando aqui.

Outra nota do G1:
Bombeiros confirmam 8 mortes em escola da Zona Oeste do Rio
– No site JB Online:

Na fuga, o homem teria sido baleado pela polícia e morreu a caminho do hospital.

Leia mais clicando aqui.

No portal R7:

Quatro ambulâncias estão no local para atender as crianças.

No Globo Online:
Chefe da Polícia Civil diz que ex-aluno que matou crianças em escola de Realengo não tinha antecedentes criminais
‘Cumpri o meu dever’, diz sargento que baleou atirador no RJ

É o fim do mundo mesmo.

Parte da carta do assassino:

Queda brusca

Os outros portais falam em 39 andares. Vou ficar com o R7:

Um homem sobreviveu a uma queda de mais de 40 andares em Nova York, nos Estados Unidos, após “pousar” sobre um carro que estava estacionado ao lado do prédio, informou nesta quinta-feira (2) o jornal britânico Daily Mail.

De acordo com a polícia, Thomas Magill, de 22 anos, aparentemente se jogou do alto de um arranha-céu na última terça-feira (31). Ainda segundo as autoridades, o jovem sofreu fraturas nas pernas e está internado em estado grave.

Leia mais clicando aqui.