Precariedades

Reportagem do jornal O Dia sobre as condições oferecidas aos aprendizes de futebol na categoria de base do Vasco:

Água racionada, alimentação inadequada e insalubridade: adolescentes que sonham em se tornar ídolos do futebol na categoria de base do Vasco são obrigados a enfrentar dificuldades antes mesmo de entrar em campo. Com sede, muitos chegam a beber água do chuveiro, segundo promotores de Justiça da Infância e da Juventude da capital.

Devido à precariedade, a Justiça determinou que as atividades do CT do clube, em Itaguaí, estão suspensas a partir desta quinta-feira. Em fevereiro, o adolescente Wendel Junior Venâncio da Silva morreu após passar mal no local.

O clube terá que cumprir uma série de determinações no alojamento de São Januário em até 30 dias. O Flamengo, Botafogo e Fluminense também estão na mira dos promotores.

“As condições do alojamento de São Januário e do CT são piores do que as da maioria das unidades destinadas a adolescentes em conflito com a lei. O alojamento tem péssimas condições de higiene e conforto, com infiltrações, camas sem estrado, colchões velhos e armários quebrados. Diariamente, a vida desses jovens é colocada em risco quando são transportados para treinar em um ônibus velho, sem cinto de segurança e com buracos no painel devido à falta de instrumentos”, afirma a promotora Clisânger Ferreira Gonçalves Luzes, da Infância e Juventude.

Leia mais clicando aqui.

Para mais e nunca mais, para agora e para embora

Solda na capela da UFRJ foi usada sem supervisão:

A coordenadora do Fórum de Ciência e Cultura da UFRJ, órgão que administra a capela, Beatriz Rezende, afirmou que a universidade estava insatisfeita com a reforma e que a empresa contratada havia sido multada por falta de pessoal qualificado e por acabamento ruim:

– É preciso repensar essa lei que obriga a contratar os serviços mais baratos. Para construir uma caixa de concreto se usa o mais em conta, mas não para reformar um prédio de quase 150 anos.

Há muita coisa a se comentar sobre o caso e suas responsabilidades. Mas além de todas estas que vocês pensaram, tem uma que me incomoda muito. Diante de uma perda (e um perigo grande de uma perda ainda maior) de um prédio antigo, de documentos históricos, de conteúdo cultural, etc, em qualquer nação decente haveria muita gente chiando, protestando, criticando e outros “andos” por aí. Evidentemente, a final do Big Brother Brasil e os resultados dos últimos jogos dos campeonatos em voga foram muito mais comentados.

Nada contra a TV ou o futebol, mas nessas horas de perda do patrimônio cultural, em livros, história ou memória, é que vejo que Educação e Brasil são termos cada vez mais distantes.

Mas claro… A expressão “país do futuro” (e, segundo Obama, o futuro é agora) nunca definiu mesmo que futuro era este, nem quando.

O beijo

Do Globo Online:

Três jogadores de futebol iranianos enfrentam pena de prisão por beijar uma torcedora no Estado islâmico, onde o contato físico entre mulheres e homens que não estão em um relacionamento é proibido por lei, informou um site iraniano nesta segunda-feira.

De acordo com a lei islâmica, a Sharia, imposta no Irã após a Revolução Islâmica de 1979, violações da lei podem ser punidas com chibatadas, multas ou prisões.

“Os mandados de prisão foram emitidos para os três porque são comportamentos anti-islâmicos”, disse o site Rajanews, citando uma fonte não-identificada.

Leia mais aqui.