A culpa é…

O Extra descasca, com razão:

A Cedae encontrou um culpado pela rotina de torneiras secas na Baixada Fluminense: o povo. Segundo a concessionária, algumas regiões, chamadas de áreas de manobra, não recebem água todos os dias porque o mesmo sistema abastece vários bairros, alternadamente. Na Baixada, todo o fornecimento acontece a partir desse esquema.

Para solucionar o problema, de acordo com a Cedae, o ideal seria que os consumidores tivessem cisternas, armazenando a água para os dias em que não chega nada pela rede. Uma cisterna considerada média, de 5 mil litros, custa cerca de R$ 6 mil.

Leia mais clicando aqui.