Eleição real

Há balsas na Barra da Tijuca que fazem pequenas ‘viagens’, de cerca de 40 segundos apenas, entre uma margem e outra da fétida Lagoa de Marapendi, para permitir que pessoas a pé não precisem pegar condução e ficar engarrafadas no quase sempre caótico trânsito da Barra só para chegarem do outro lado.

Aos domingos, também funciona. Os ‘balseiros’ são em geral pessoas humildes, e a balsa que pego é ‘dirigida’ por um que já está ali há anos. Custa 50 centavos o trajeto. Ontem, ao pegá-la, ouvi o seguinte diálogo:

Passageiro 1:
– (…) e parece que ele é o primeiro colocado em São Paulo…

Condutor
– Tiririca ? O palhaço ? É o fim do mundo !

Passageiro 2
– Aqui no Rio tem o Romário, parece que tá muito bem nas pesquisas também…

Condutor
– Romário ? Ele parou de jogar pra virar político ?

Passageiro 1
– Em São Paulo tem o Netinho de Paula pro Senado…

Condutor
– Netinho ? Aquele pagodeiro ? Ele também ? É o fim do mundo ! E tem eleição pra presidente este ano ?

Passageiro 2
– Ué, a Dilma tá na frente.

Condutor
– Dilma ? É mulher ? Vai ser presidente ?

Passageiro 1
– É a candidata do Lula.

Condutor
– Lula tá apoiando ela, é ? Deve ser boa então… Vai ter pra governador também ?

Passageiro 2
– Sérgio Cabral tá na frente

Condutor
– Ué, mas pode de novo ? É o fim de mundo…

40 segundos.