Governantes e suas declarações

Vídeo que mostra o governador e candidato à reeleição Sérgio Cabral (PMDB) ao lado do presidente Lula chamando um estudante de “otário’ e “sacana” no Globo Online:

http://oglobo.globo.com/pais/video/2010/19173/

No Youtube:

http://www.youtube.com/watch?v=KOKS_apCwzA

Link no Estadão:

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,em-video-cabral-ao-lado-de-lula-chama-rapaz-de-otario-e-sacana,591912,0.htm

Site JusBrasil:

http://www.jusbrasil.com.br/politica/5478131/ao-lado-de-lula-cabral-chama-jovem-de-otario-e-sacana

Verso das novas notas de Real

Complementando o post sobre as novas notas de Real publicado em 03.02.2010 (veja aqui), dois dos versos das notas mais valiosas, aquelas que a gente nunca tem nas mãos…

Relembrando todas as frentes (e lembrando que terão tamanhos diferentes umas das outras):

A bengalada, tempos depois

Yves Hublet

Yves Hublet

Do site Congresso em Foco:

Em 29 de novembro de 2005, o escritor curitibano Yves Hublet, belga de nascimento, ganhou notoriedade depois de desferir golpes de bengala no então deputado federal José Dirceu (confira o vídeo abaixo). Hoje (terça, 03.08.2010), durante o esforço concentrado de votações plenárias no Senado, o vice-líder do PSDB, Alvaro Dias (PR), pediu a palavra para apontar as “circunstâncias suspeitas” da morte de Yves, ocorrida no último dia 26 de julho, em Brasília.

Yves morreu aos 72 anos, completados em abril, e seu corpo foi cremado. Segundo seu amigo e editor Airo Zamoner, dono da editora Protexto, que publicava os textos de Yves, o escritor enfrentou diversos problemas no país depois das bengaladas, e então mudou-se para a Bélgica. Com dupla cidadania, Yves voltou para Curitiba (PR) em maio a fim de tratar da edição de um novo livro e resolver problemas matrimoniais (um novo casamento o aguardava na Europa). Mas tinha de passar por Brasília antes do retorno à Bélgica.

O editor disse ainda que, ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Brasília, Yves foi preso e ficou incomunicável. “É uma denúncia séria”, disse Alvaro ao Congresso em Foco. “Ele teve de deixar o Brasil e foi preso ao desembarcar em Brasília. Não sei em que condições ele foi preso, mas ele ficou doente na prisão e foi hospitalizado sob escolta.”

Leia mais clicando aqui.

Não conheço, só sei que Yves era escritor de livros infantis. Parece que ele foi cremado sem comunicação à família, segundo Ricardo Boechat ainda agora na Band News…

Sequência

1. Prefeitura do Rio vai tirar todos os “fradinhos” da orla, acabei de ouvir no rádio agora (ok, eu ouço rádio).

2. Carros passarão a estacionar nos locais onde estavam os fradinhos.

3. Calçamentos, já prejudicados, ficarão mais prejudicados.

4. Prefeitura vai passar a multar e rebocar os carros estacionados irregularmente, aumentando a arrecadação.

5. Prefeitura vai se gabar de realizar grandes “choques de ordem” na orla da zona preferida, a zona sul.

6. População se acostumará cada vez mais à expressão “choque de ordem”.

7. População passará lembrar da expressão “choque de ordem” nas eleições.

8. Ruas da cidade — tanto as da zona sul quanto a dos bairros do subúrbio — continuarão com os mesmos problemas de sempre, já que a prioridade é a arrecadação dos momentos de choque de ordem.

A cidade é igual a um organismo vivo (ok, não sei se existe organismo morto ou se pode ser denominado organismo). Se o rim está com problemas, é preciso tratar logo o rim, tirar o cálculo. Se o paciente sente dor, precisa reclamar de dor e correr atrás de corrigi-la. Mas a criatura deve se prevenir, cuidando de sua saúde para evitar futuros problemas, desde os pequenos aos de maior proporção. Se o rim ou o apêndice dói e a pessoa não cuida, isso pode se transformar em problemas maiores, mais difíceis e de maior custo para tratar. E por aí vai.

Nada a ver, juro, com esta manchete:

Paes passa por cirurgia para extração de cálculo renal no Rio

Todo prefeito deveria ter uma nutricionista. De preferência, que não seja paga pelo erário público (ok, não sei se existe erário não-público).