Di grátis ou quase

Casquinha_mcNão sei se já dei essa dica aqui, mas vale o momento Nham.

O McDonald’s está, há meses, com uma promoção em relação à sua casquinha (não vou normalmente ao McDonald’s para outras comilanças, mas sou fiel comedor das casquinhas de lá). Uma cartelinha carimbada a cada compra dá o direito de, a cada 5 casquinhas, você levar uma de graça.

Como a casquinha está custando 1 real na maioria (infelizmente, não na totalidade) das filiais da rede, sai bem barato. Aproveitem. É só pedir a cartela no caixa.

Nesses meses todos, eu já devo ter devorado umas 10 gratuitas, pelo menos.

A propósito, não sei porque em alguns shoppings a casquinha custa R$ 1,50. No Nova América, RJ, chegou a custar R$ 1,75, mas voltaram atrás. Nas lojas de rua, como na Uruguaiana, Senhor dos Passos e Dias da Cruz, a casquinha custa R$ 1.

Bem menos que no Bob’s, por exemplo, onde o milkshake de Ovomaltine está pela hora da morte.

Fim do momento gelado.

A propósito de preços, tem a tradicional feira de livros usados na Uruguaiana em setembro de 2009.

Sem terno

Do Globo Online:

A primeira-ministra de Bangladesh ordenou a funcionários do governo do sexo masculino que deixem de usar ternos, jaquetas e gravatas para economizar eletricidade.

Sheikh Hasina disse aos funcionários que a medida iria minimizar o uso de ar condicionado.

Bangladesh enfrenta cortes diários de energia, já que as usinas do país não são capazes de atender à demanda.

Um oficial de alto escalão disse à BBC que o governo vai, em breve, encorajar empresas a seguir o exemplo.

Leia mais aqui.

Poderiam adotar aqui no Senado Federal.

Talvez seja a única maneira de pegar os congressistas “de calça curta”, como diz a antiga expressão popular.

Restrições

Restrição do uso da internet nas eleições aprovada por comissões do Senado contraria decisão do Supremo.

Aprovado em sessão conjunta das comissões de Constituição e Justiça (CCJ) e Ciência e Tecnologia (CCT) do Senado:

– INTERNET: Impõe a sites jornalísticos, blogs, rádios e TVs mantidas na internet as mesmas regras previstas pela legislação eleitoral para as emissoras de rádio e televisão brasileiras. Esses sites, embora não sejam concessões públicas, ficariam proibidos, então, de emitir opiniões a respeito dos candidatos e teriam de dedicar o mesmo espaço em sua programação para todos os candidatos que estão na disputa.

Cuma ?