Dos presidentes

Bush não foi a New Orleans ao saber do Katrina.

Mas Sarkozy já está…

(…) no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, onde conversa com parentes de passageiros do voo AF 447, da Air France, que desapareceu nesta segunda-feira dos radares quando sobrevoava o Oceano Atlântico. Sarkozy entrou por um portão lateral do aeroporto, e deve fazer um pronunciamento oficial em alguns minutos.

Enquanto isso, no país-origem:

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi informado logo cedo em El Salvador, às 6h (9h em Brasília) sobre o desaparecimento do Airbus 330-200 da Air France, que seguia do Rio de Janeiro para Paris e sumiu dos radares quando sobrevoava o Oceano Atlântico. (…) Até o momento o presidente não se pronunciou, mas deverá fazer um comunicado ao longo do dia sobre o assunto. (…) A agenda do presidente prevê que ele deixe El Salvador por volta de 16h (19h em Brasília) rumo a Guatemala e, nesta terça, segue para Costa Rica. Por enquanto, não há nenhuma alteração prevista nessa agenda.

Más línguas andam dizendo que o presidente não mudará sua agenda porque não era um voo de “receptores” do Bolsa Família.

Apenas a propósito:

Brazilian authorities asked the air force to launch a search mission just over three hours later, at 06:30 GMT, the statement said.

Do site da CNN (leia mais aqui).

Troféu abacaxi

Migajapa mandou, mas o post é dedicado a Migarruma:

O cenário da casa da Dona Nenê é muito mais detalhado do que se pode supor pela TV. Típica casa de vó caprichosa, cheia de enfeitinhos, onde hoje há todo tipo de abacaxi – copos de abacaxi, potes de abacaxi, pratos de abacaxi. É influência de uma jarra de suco, de plástico, que vai para a mesa da família Silva desde a primeira temporada. “Comprei num mercado perto da casa da minha mãe. Quando ela viu, disse “não quero essa coisa horrorosa aqui!”, diverte-se o diretor de arte Guga Feijó. Uma vez em cena, a jarra renegada pela dona Lídia virou hit. “Todo mundo queria saber de onde ela veio, e lojas bacanas do Rio começaram a vender. Vi uma por R$ 250!”, conta Feijó. “Fez tanto sucesso que os abacaxis viraram marca da dona Nenê. A gente vive ganhando ‘abacaxis’ de presente, para pôr em cena.”

Achado aqui.